Capa
A Revista
Como Ler
Arquivo
Exclusivo Online
Assine
Contato
ASSINANTE
Esqueceu A Senha?
Peça Sua Senha!
SERVIÇOS
Classificados
Livros
Links
Eventos
 
LIVROS
 
ASSINANTE
Usuário:
Senha:
BUSCA
Plantio Direto HomePG
Adicionar aos Favoritos
Hortaliças


Irrigação de repolho em Sistema de Plantio Direto

Waldir A. Marouelli1; Rômulo P. Abdalla2; Nuno R. Madeira3
1 Embrapa Hortaliças; Gama, DF; Bolsista PQ-CNPq; E-mail:
waldir@cnph.embrapa.br.
2 Estudante Agronomia da FTB; Recanto das Emas, DF; Bolsista PIBIC-CNPq.
3 Embrapa Hortaliças; Gama, DF; E-mail: nuno@cnph.embrapa.br.

Repolho sob irrigação em Sistema Plantio Direto

Introdução

O repolho é uma das hortaliças mais eficientes na produção de alimentos graças à sua alta taxa de crescimento e excelente valor nutritivo, destacando-se como fonte de vitaminas C e do complexo B, de fibras e baixo valor calórico. Cultivado por pequenos e médios produtores e consumido em grande parte do território nacional, o repolho também tem grande importância sócio-econômica.

Como a produção de repolho é favorecida por clima ameno, seu cultivo é muitas vezes realizado em áreas serranas, especialmente nas regiões Sudeste e Sul.

Por apresentar ciclo curto, sistema radicular pouco desenvolvido e ter em torno de 92% de água na sua constituição, a cultura de repolho requer um bom suprimento de água durante todo seu desenvolvimento. Assim, a irrigação é uma prática comumente utilizada mesmo em regiões e estações com distribuição regular de chuvas. Os sistemas de irrigação mais usados são os por aspersão; no entanto, outros sistemas, como sulco e gotejamento, também têm sido utilizados.

O sistema de produção utilizado para repolho é baseado no preparo de solo por meio de aração e gradagens sucessivas, muitas vezes seguido de encanteiramento, mesmo em terrenos declivosos. Contudo, sistemas convencionais de produção proporcionam, no longo prazo, a degradação dos recursos naturais, comprometendo a sustentabilidade ambiental e produtiva. Por exemplo, solos excessivamente cultivados e submetidos à mecanização intensa são mais expostos à radiação solar, amplitudes térmicas, evaporação, multiplicação de plantas invasoras e erosão.

Uma alternativa ao sistema de plantio convencional (SPC) é o sistema de plantio direto (SPD), que se fundamenta em três requisitos básicos: revolvimento mínimo do solo; rotação de culturas; e manutenção da cobertura do solo com resíduos vegetais. As principais vantagens do SPD são: menor uso de máquinas; melhoria da estrutura do solo; redução das perdas de água por evaporação; melhor controle de plantas invasoras; redução da erosão; e maior eficiência do uso de água pelas plantas.

Diante dos benefícios que oferece, o SPD tem despertado o interesse de técnicos e produtores de brássicas, especialmente em regiões serranas de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo onde o cultivo em SPC acarreta sérios problemas de erosão. No entanto, diferentemente do verificado para grãos, há escassez de pesquisas direcionadas para SPD de hortaliças. Isto faz com que as práticas de cultivo utilizadas sejam, em geral, as mesmas usadas para o SPC.

No caso da irrigação tem-se constatado que os intervalos entre regas e as quantidades de água aplicadas em SPD têm sido os mesmos indicados para SPC. Isto acarreta a aplicação de água em excesso, favorecendo maior incidência de doenças, redução de produtividade e menor rentabilidade.

A Embrapa Hortaliças vem desenvolvendo trabalhos com o objetivo de quantificar a redução da necessidade de água e de ajustar estratégias de manejo de irrigação em SPD de repolho.

Estudos Realizados

Os estudos de irrigação em SPD de repolho são continuidade de trabalhos iniciados em 2003 com tomateiro rasteiro e cebola. Para repolho avaliou-se diferentes cultivares em SPD com níveis de palhada de milho até 14 t/ha de matéria seca (100% de cobertura do solo), tendo o SPC como controle.

No SPD, as mudas foram transplantadas sobre a palhada, em covas com 8-10 cm de diâmetro e profundidade. O preparo do solo no SPC incluiu aração, gradagem, coveamento e adubação. As adubações e demais tratos culturais utilizados, exceto pela irrigação, foram os mesmos nos SPD e SPC.

Com o objetivo de se determinar as reais necessidades de água do repolho, as irrigações por aspersão foram feitas de forma distinta nos diferentes sistemas de cultivo e níveis de palhada avaliados. Desta forma, as regas foram feitas apenas no momento em que tensiômetros indicavam tensão entre 40-50 kPa. A lâmina de irrigação foi suficiente para que o solo retornasse à capacidade de campo. Isto garantiu que as plantas no SPD e SPC não fossem submetidas a excesso ou falta de água.

Também foram conduzidas unidades de observação em áreas de produtores em Mário Campos e Sarzedo, cinturão verde de Belo Horizonte, MG, e em Nova Friburgo, região serrana do Rio de Janeiro. Nestas unidades, a exemplo do normalmente realizado pelos produtores, as irrigações foram feitas adotando-se a mesma freqüência e aplicando-se a mesma lâmina de irrigação no SPD e SPC. Em algumas das unidades, as irrigações foram realizadas visando suprir a maior demanda de água que ocorre no SPC, enquanto nas outras visando suprir apenas a demanda do SPD. Assim, no primeiro caso, o repolho em SPC foi irrigado na dose adequada, enquanto no SPD foi irrigado em excesso, dada a menor perda de água por evaporação no SPD. Já no segundo caso, o repolho em SPD foi irrigado de forma correta, enquanto no SPC houve falta de água.

   
A redução no consumo de água pode chegar a 15% em lavouras onde a cobertura do solo por palhada seja espessa, cobrindo 100% do solo.

As regas são feitas apenas no momento em que tensiômetros indicam tensão entre 40-50 kPa.

Necessidade de Irrigação

Quando comparado ao SPC, tem-se observado que o SPD de repolho promove uma redução média no consumo de água da ordem de 10%. A redução pode chegar a 15% em lavouras onde a cobertura do solo por palhada seja espessa, cobrindo 100% do solo. A maior conservação de água no SPD está relacionada com a palhada que permanece na superfície do solo, proporcionando uma maior reflexão da radiação solar incidente e, portanto, atuando como barreira contra a evaporação de água.

Durante os primeiros 30 dias do ciclo do repolho, quando a cobertura do solo pelas plantas é pequena, a necessidade de irrigação no SPD chega a ser 30% menor que no SPC. Já nos últimos 30 dias, quando as plantas cobrem grande parte da superfície do solo, a economia de água é menor (5-10%). Tais diferenças se devem ao fato de que durante a fase inicial, quando a cobertura do solo pelas plantas é pequena, a evaporação representa a maior parte da necessidade de irrigação. À medida que as plantas se desenvolvem, a transpiração passa a ser predominante.

Para estimar a necessidade de água (evapotranspiração) do repolho em SPD, os valores de coeficiente de cultura (Kc) normalmente indicados para SPC (0,95 – fase inicial; 0,85 – vegetativa; 1,05 – crescimento de cabeça; e 0,95 – pré-colheita) devem ser reduzidos em até 30% durante o início do ciclo e em até 10% no final. Assim, para SPD com nível de palhada entre 8-12 t/ha de matéria seca (70-80% de cobertura do solo) sugere-se os seguintes valores de Kc: 0,65 para a fase inicial; 0,70 para a vegetativa; 0,95 para a de crescimento de cabeça; e 0,90 para a de pré-colheita.

Produção e Eficiência

do Uso de Água

Nos estudos realizados observou-se que a produtividade e a qualidade de cabeças em SPD são similares às obtidas em SPC, caso as irrigações sejam realizadas de forma a suprir as reais necessidades de água da cultura (sem excesso ou falta). Em tais condições, a eficiência do uso de água pelas plantas em SPD chega a ser 20% maior que em SPC, devido à menor exigência de água para irrigação. Isto significa que para produzir a mesma quantidade de repolho no SPD é necessário fornecer apenas 80% da água demandada no SPC.

Por outro lado, quando as irrigações no SPD são feitas de forma inadequada, adotando-se as mesmas freqüências e quantidades de água recomendadas para SPC, a produtividade no SPD poderá ser menor que no SPC. Isto ocorre porque as plantas são submetidas à condição de excesso de água, o que favorece, por exemplo, maior incidência de doenças e redução na eficiência do uso de água pelas plantas.

Situação oposta ocorre quando um produtor irriga sua lavoura em SPC fornecendo menos água que o recomendado. Assim, se este mesmo produtor passar a adotar o SPD e irrigar da mesma forma, a produtividade no SPD será maior. Isto é possível em razão das perdas de água por evaporação no SPD serem menores e, portanto, as plantas no SPD não estarão sendo submetidas à condição de falta de água como no SPC.

Finalmente, o sucesso do SPD de repolho está condicionado, dentre outros fatores, a um manejo correto da irrigação durante todo o ciclo da cultura.

Conclusões e Recomendações

• O SPD proporciona produtividade e qualidade de cabeças similares ao SPC com menor quantidade de água aplicada, desde que as irrigações sejam feitas de forma correta. Isto confere ao SPD maior eficiência no uso de água pelas plantas.

• O cultivo de repolho em SPD exige manejo específico de irrigação, pois as exigências hídricas são distintas.

• A redução na necessidade de irrigação no SPD ocorre de forma mais expressiva durante a fase inicial do repolho, podendo chegar a 30%. A economia de água ao longo de todo o ciclo varia entre 10-15%.

• Para estimativa da evapotranspiração do repolho em SPD deve-se considerar Kc de: 0,65 na fase inicial; 0,70 na vegetativa; 0,95 na de crescimento de cabeça; e 0,90 na de pré-colheita.

Revista Plantio Direto, edição 112, julho/agosto de 2009. Aldeia Norte Editora, Passo Fundo, RS.

Este artigo está na versão completa.
 
© Revista Plantio Direto / Aldeia Norte Editora

Este site é integralmente editado e atualizado pelo Departamento Editorial da Plantio Direto.